terça-feira, 15 de janeiro de 2008

PROCURA-SE UM SUPLENTE DESESPERADAMENTE

A situação não anda mesmo nada boa para os lados do grupo Sarney. Como se não bastassem os escândalos envolvendo os nomes do próprio filho do senador amapaense , o diretor do sistema mirante Fernando, e do afilhado político que ele deseja ver como ministro da cobiçada pasta de minas e energia Edison Lobão e seu filho Edinho.


Além disso tudo um leitor assíduo desse blog enviou algumas denúncias que dizem respeito ao segundo suplente de Lobão no senado, o ex-deputado Remi Ribeiro Oliveira, presidente em exércicio do PMDB no Maranhão, as acusações são sérias e tão graves quanto as que pesam sobre Fernando e Edinho.


Mas de forma ética e responsável estamos purando os fatos relatados pelo nosso leitor, verificando sua veracidade ou não, caso se confirme o que nos foi relatado, aí sim tornaremos públicas todas as informações que conseguirmos sobre o segundo suplente do senador peemidebista que pelo andar da carruagem terá mais esse pepino para descascar caso venha mesmo ser nomeado ministro.

7 comentários:

SEU JOCA disse...

LULA DÁ A ENTENDER QUE NÃO QUER LOBÃO NO MINISTÉRIO.


Lula condena as Farcs e faz ressalva a Lobão

Em Havana, onde se encontra para visitar Fidel Castro e renovar o interesse do Brasil em investir em Cuba, Lula disse duas coisas importantes esta tarde. Sobre as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farcs) que sequestram pessoas para extorquir suas famílias:

- Fazer com que pessoas inocentes paguem o preço da disputa política não é admissível para qualquer ser humano do mundo. É abominável essa história de seqüestros. [Manter pessoas em cativeiro] não pode ser feita por nenhum ser humano em juízo perfeito, no mundo.

A segunda coisa importante dita por ele:

- Eu vou ter uma conversa com ele [Edison Lobão, senador, indicado pelo PMDB para ministro das Minas e Energia] e vamos estabelecer uma discussão. O problema é que o PMDB, por unanimidade, indicou o Lobão, mas eu disse ao PMDB que isso vai depender de uma conversa com ele, que será feita amanhã.

Pela primeira vez Lula condenou as Farcs. Menos mal. Pelo menos condenou.

Quanto a Lobão, deixou a entrever que não se sente confortável com a indicação dele para o ministério das Minas e Energia. "O problema é que o PMDB, por unanimidade...", ressalvou.

Que problema? Lobão é um problema? Lula preferiria outro nome no ministério?

O presidente é ele. Quem manda é ele. Que informe ao PMDB sobre seu eventual desconforto com a indicação de Lobão. Peça outro nome. Mas se o nomear, o responsável pelo que Lobão fizer de bom ou de ruim será ele, o presidente.

É assim que funciona no regime presidencialista. Nada de tirar o seu da reta.


http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=lula_condena_as_farcs_faz_ressalva_lobao&cod_Post=86931&a=111

Anônimo disse...

Bancada dos bancos
A campanha do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) recebeu R$ 1,6 milhão de doação de banqueiros. A de Eduardo Suplicy (PT-SP), R$ 220 mil.

Roseana Sarney PMDB-MA recebeu do Bradesco R$ 500.000. Foi apenas um presentinho em troca da privatização do mesmo, e por deixar os funcionários sofrendo nas filas, sem nenhum respeito a população, tambem pudera, eles nuncAFICAM EM FILA, APENAS TRANSFERE PARA CONTA DE AMIGO, E DEPOIS O MESMO VOLTA A DEPOSITAR O MESMO DINDIN NA CONTADA EMPRESA DA FAMÍLIA, ONDE EM SEGUIDA RETIRA E DEPOSITA NA CONTA PESSOAL DE FEFE. FOI APENAS UMA COINCIDENCIA, MAIS DEFICILMENTE ESSAS COINCIDENCIAS, ACONTECE NA CONTE DE UM POBRE. dENTRE UM BILHÃO DE ERROS UM PODE ACONTECER. e NÃO É QUE ACONTECEU COM UMA SIMPLES EMPREGADA DOMÉSTICA? SÓ QUE ELA NÃO SABIA, QUE LOBINHO (HUUUUUU), TRANSFERIU SUAS AÇÕES A ESTÁ SÓCIA SORTISTA, SÓ QUE SOBREU APENAS A DÍVIDA PARA A COITADA. É ASSIM MESMO QUANDO ACONTECE O POBRE AINDA SE FERRA

Anônimo disse...

Deu em o globo

Filho de Lobão cogita não assumir vaga no Senado

De Gerson Camarotti:

Acusado de usar um "laranja" para ocultar dívidas, o suplente de senador Edison Lobão Filho (DEM-MA) avalia a conveniência política de assumir o mandato nos próximos dias, com o provável afastamento de seu pai, o senador Edison Lobão (PMDB-MA), para comandar o Ministério de Minas e Energia. Até a semana passada, o próprio Lobão já dava como certa a posse do filho. Mas o surgimento de novas denúncias e a disposição do DEM de investigar Lobão Filho, se ele tomar posse, levaram a família a reconsiderar a exposição do suplente. Caso se confirme essa decisão, assumirá o segundo suplente, o ex-deputado Remi Ribeiro, do PMDB.

Segundo reportagem da "Veja", Lobão Filho teria transferido ações de uma empresa de bebidas para o nome de uma empregada doméstica, usada como laranja da operação, para fugir do Fisco. Leia mais em O Globo

SEU JOCA disse...

DEU NO BLOG DO JOSIAS DA FOLHA

LOBÃO ADMITE LICENÇA DE EDINHO APÓS A POSSE E TERCEIRO SUPLENTE, REMI RIBEIRO, FOI INDICIADO POR PECULATO.

PMDB espera que Lula convide Lobão nesta quarta

José Cruz/ABr

De volta a Brasília, depois de visitar Guatemala e Cuba, Lula receberá, nesta quarta-feira (16), o senador Edison Lobão (PMDB-MA). Deve convidá-lo formalmente para ocupar o cargo de ministro das Minas e Energia. É o que espera toda a cúpula do PMDB, incluindo José Sarney (AP), padrinho do virtual novo ministro.

Neófito na área, Lobão dedicou-se nos últimos dias à análise de textos sobre o setor elétrico. Só foi desviado da leitura emergencial por um outro assunto ainda mais premente: a contingência de ter de sair em defesa de seu primogênito, Edison Lobão Filho.

Suplente do pai, Edinho –como o filho de Lobão é tratado por amigos e familiares—ou Lobinho –como passou a ser chamado em Brasília— assumirá a vaga de senador caso se confirme o convite de Lula. E, antes que pusesse os pés no Senado, foi pendurado nas manchetes de revistas e jornais em posição constrangedora.

O futuro senador é investigado pelo Ministério Público. Uma das suspeitas que pesam contra Lobão Filho é a de que seria sócio oculto de uma distribuidora de bebidas maranhense, a Itumar. Deve ao fisco notáveis R$ 42 milhões. O filho nega a malfeitoria. O pai atribui as acusações à refrega política.

Nesta terça-feira (15), de passagem por Havana, Lula foi instado a comentar a iminente nomeação de Edison Lobão. Fez uma declaração dúbia. Deu a entender que a ascensão do senador à Esplanada ainda é coisa indefinida. "O problema é que o PMDB, por unanimidade, indicou o Lobão para ministro”, disse o presidente. “Mas eu disse que vai depender de uma conversa minha com o Lobão."

A suposta indefinição é mero jogo de cena. O blog ouviu, no Planalto, um auxiliar direto de Lula. Disse que a hipótese de Lobão não virar ministro é “inexistente.” Para o governo, as suspeitas que se acercaram de Lobinho não chegaram a comprometer a nomeação de Lobão. É o que espera a direção do PMDB.

Na semana passada, a cúpula do partido foi a Lula. Levou à mesa o nome de Lobão. E deixou o Planalto certa de que, no retorno de sua viagem, Lula o convidaria. Participaram do encontro o presidente do PMDB, Michel Temer (SP) e José Sarney (AP). Um recuo agora atearia fogo à bancada peemedebista do Senado –Casa em que a maioria do governo é precária. Tão precária que não foi capaz de assegurar ao governo a prorrogação da CPMF.

Confirmando-se o que parece inevitável, inaugura-se um outro problema. Diferentemente do pai, que trocou o DEM pelo PMDB, Lobinho continua filiado aos quadros do ex-PFL. E a tribo dos ‘demos’ não se mostra disposta a conviver com um novo senador-problema. Ecoando um debate travado nos subterrâneos do DEM, a senadora Kátia Abreu (TO) diz que, se não conseguir explicar as denúncias que lhe pensam sobre os ombros, Lobinho “será convidado a deixar o partido.” Do conjtrário, pode ser expulso.

Em privado, Lobão admite que, depois de tomar posse no Senado, o filho pode licenciar-se. Abriria o caminho para a posse do segundo suplente. Chama-se Remi Ribeiro. É filiado ao PMDB. Preside o diretório do partido no Maranhão. Está tão ou mais enrolado que o filho do futuro novo ministro.

Segundo apurou o blog, Remi Ribeiro foi indiciado pelo Ministério Público. É acusado de peculato. Teria se apropriado de recursos públicos supostamente desviados por meio de fraudes em licitações na prefeitura do município maranhense de São Bento, ao qual serviu como gestor financeiro. As malfeitorias teriam sido praticadas entre 89 e 92. Mas o inquérito que apurou as irregularidades só foi concluído há dois anos.


http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/arch2008-01-13_2008-01-19.html#2008_01-16_00_44_27-10045644-0

SEU JOCA disse...

BOMBA! BOMBA! BOMBA!

FERNANDO SARNEY PODE SER INDICIADO PELA POLÍCIA FEDERAL POR LAVAGEM DE DINHEIRO, CRIME TRIBUTÁRIO E CONTRA A ORDEM FINANCEIRA.

Deu no estadão e no Noblat!

Filho de Sarney corre risco de ser indiciado pela PF

De Ricardo Brandt:

Considerado o braço financeiro e empresarial da família Sarney, o empresário Fernando Sarney pode ser indiciado por lavagem de dinheiro, crime tributário e contra a ordem financeira no inquérito sobre a movimentação de cerca de R$ 3,5 milhões em contas de suas empresas nos dias que antecederam o segundo turno da eleição de 2006, quando sua irmã Roseana Sarney foi derrotada na disputa pelo governo do Estado.

Desde 2006, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal o investigam por transações financeiras suspeitas, que apontam para a criação de uma factoring exclusiva para negócios da família Sarney. Para o Ministério Público, a factoring pode ter servido para movimentar recursos de caixa 2.

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/post.asp?t=filho_de_sarney_corre_risco_de_ser_indiciado_pela_pf&cod_Post=86996&a=111

http://www.estado.com.br/editorias/2008/01/16/pol-1.93.11.20080116.8.1.xml

SEU JOCA disse...

Deu no Estadão!

EDINHO É SUSPEITO EM FRAUDE DE R$ 30 MILHÕES.

Lobão Filho é suspeito em fraude de R$ 30 milhões
Na época em que ele controlava Companhia de Processamento de Dados do Maranhão, 52 mil notas fiscais de 205 empresas ?sumiram? do sistema

Ricardo Brandt, SÃO LUÍS

O filho e suplente do senador Edison Lobão, Edison Lobão Filho (DEM-MA), é suspeito de ter ligações com um esquema que fez desaparecer 52.309 notas fiscais de 205 empresas entre 1993 e 1999 dos computadores da Companhia de Processamento de Dados do Maranhão (Prodamar). O Estado teve prejuízo total de R$ 60 milhões.

O senador Lobão é o indicado do PMDB para ser o novo ministro de Minas e Energia. Ontem, em Cuba, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva confirmou que terá hoje uma conversa com ele, mas fez a ressalva de que não está certo de que o convidará. "Eu vou ter uma conversa com ele e vamos estabelecer uma discussão", disse Lula. "O problema é que o PMDB, por unanimidade, indicou o Lobão, mas eu disse ao PMDB que isso vai depender de uma conversa com ele, que será feita amanhã (hoje)."

O presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), afirmou ontem, em Brasília, que não acredita em mudanças naquilo que foi conversado com Lula. "Não ficou estabelecido que o convite seria amanhã (hoje), mas entendemos que sim, pois ele marcou a conversa. Vamos aguardar", disse.

ESQUEMA

Os programas DAMST e SEFPSIT1, feitos exclusivamente para ocultar notas, foram instalados na Prodamar em 1993, no penúltimo ano em que Lobão governava o Estado (1991-1994). "Nessa época, o Edinho controlava a Prodamar, bem como outros órgãos dentro do governo", afirmou um político ligado ao grupo. Os programas permitiam apagar notas do controle do Fisco estadual.

Uma das maiores beneficiadas foi a Itumar, distribuidora da Schincariol no Maranhão, que seria da família Lobão. A empresa teve 3.045 notas apagadas, num total de R$ 3,06 milhões que deixaram de ser recolhidos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O Ministério Público Estadual apura se a Itumar pertence a Edinho.

As dívidas da empresa com o Maranhão chegam a R$ 42 milhões. "Ela é uma empresa que faz isso de forma contumaz", acusa o promotor José Osmar Alves.

A fraude era cometida por dois programas que permitiam alterar o status das notas fiscais entregues pelos comerciantes ao entrar ou sair do Maranhão por terra - o "Projeto Fronteira". O status é o dígito que acompanha o número da nota e indica se as mercadorias entram ou saem do Estado e se o ICMS foi recolhido pelo fabricante do produto transportado.

Só os status de 1 a 4 e o 1/RO são válidos. Com os softwares, o dígito era alterado para 5 ou 9. Como o programa oficial não reconhecia esses dois dígitos, as notas fiscais eram automaticamente apagadas. As investigações da polícia mostram que o programa batizado de DAMST se refere às iniciais de parte do sobrenome de seu criador, o analista de sistemas Jorge Nunes da Matta. Ele acabou exonerado após admitir a fraude.

A delegada Maria Cristina Resende Meneses, que comandou a apuração, considerou "negligente" a possibilidade de acesso ao dados do "Projeto Fronteira" a partir de "qualquer computador interligado em rede". A Prodamar foi extinta pelo governo Roseana Sarney (ex-DEM, hoje PMDB).

Oficialmente, a Itumar é de Maria Vicentina Pires Costa e José Rosalves Muniz e tem como procurador Marco Antonio Pires da Costa, filho de Maria Vicentina. Ele e Edinho foram sócios na distribuidora de bebidas Bemar, que funcionava no mesmo endereço da Itumar. A parte de Edinho na Bemar foi transferida para Maria Lúcia Martins, empregada da ex-mulher de Costa. Há suspeitas de falsificação de documentos no caso, conforme revelou a revista Veja em sua última edição.

Edinho foi procurado em suas empresas, mas até o fechamento desta edição não havia respondido aos chamados. Ele já negou em outras ocasiões que fosse dono da Itumar e disse só ter sido sócio da Bemar.
COLABORARAM VERA ROSA, ENVIADA ESPECIAL A CUBA, e CIDA FONTES

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080116/not_imp110104,0.php

SEU JOCA disse...

INTEGRA DA MATÉRIA DO ESTADÃO SOBRE O POSSÍVEL INDICIAMENTO DE FERNANDO SARNEY PELA PF


Filho de Sarney corre risco de ser indiciado pela PF
Fernando é investigado por movimentação de cerca de R$ 3,5 milhões nas vésperas da eleição de 2006

Ricardo Brandt, São Luís

Considerado o braço financeiro e empresarial da família Sarney, o empresário Fernando Sarney pode ser indiciado por lavagem de dinheiro, crime tributário e contra a ordem financeira no inquérito sobre a movimentação de cerca de R$ 3,5 milhões em contas de suas empresas nos dias que antecederam o segundo turno da eleição de 2006, quando sua irmã Roseana Sarney foi derrotada na disputa pelo governo do Estado.

Desde 2006, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal o investigam por transações financeiras suspeitas, que apontam para a criação de uma factoring exclusiva para negócios da família Sarney. Para o Ministério Público, a factoring pode ter servido para movimentar recursos de caixa 2.

Diferente dos irmãos Roseana e Zequinha, Fernando - o primogênito do senador José Sarney (PMDB-AP) - nunca ocupou cargo eletivo, mas sempre esteve à frente dos negócios e de setores estratégicos do poder no Maranhão. Foi diretor da Companhia Energética do Maranhão (Cemar) e tornou-se um megaempresário no Estado, dono da maior rede de comunicação (que inclui a TV Mirante e o jornal O Estado do Maranhão), de empresas de construção, de imóveis, hotel e outros.

Apesar de não figurar oficialmente como tesoureiro nas campanhas eleitorais dos Sarney, pelo menos três pessoas que trabalharam ao lado dos candidatos da família disseram que era Fernando o responsável pelos pagamentos.

INDÍCIOS

O inquérito de que é alvo está em fase final. Além dele, são investigados sua mulher, Teresa Murad, dois contadores da família e dois funcionários do grupo Mirante. O Ministério Público informou que todas as quebras de sigilo fiscal, bancário e telefônico e demais documentos estão sendo cruzados pela PF em Brasília e, depois disso, o inquérito estará pronto para ser relatado. Paralelo a isso, a Receita iniciou uma ação fiscal que vai abranger os últimos cinco anos dos negócios de Fernando Sarney para verificar o montante que pode ter sido sonegado.

O Estado teve acesso a informações do inquérito, que corre sob sigilo e é acompanhado pelos procuradores da República Antonio Cavalcante, José Leite e Juraci Guimarães. O inquérito começou depois que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) comunicou ao Ministério Público um saque feito de uma única vez em dinheiro por Fernando Sarney de sua conta logo antes da eleição.

Em 23 de outubro, o empresário Eduardo de Carvalho Lago, casado com a irmã de Teresa Murad, depositou R$ 2 milhões na conta da Gráfica Escolar, da família Sarney. No dia seguinte, o dinheiro voltou para a conta de Lago e, em seguida, foi para a de Fernando. Seu primeiro saque foi de R$ 1,2 milhão, em 25 de outubro. Outros R$ 800 mil foram retirados no dia 26.

Há outras movimentações acompanhadas pelo Coaf. Entre 27 de setembro e 27 de outubro, mais R$ 1 milhão foi retirado das contas da TV Mirante. Os saques, também em dinheiro vivo, foram feitos pelos funcionários da empresa Carlos Henrique Campos Ferro e Teresa Cristina Ferreira Lopes.

Procurado pelo Estado para comentar a apuração, Fernando Sarney não foi encontrado.

FACTORING

No inquérito, o que mais intriga os procuradores é a criação da São Luís Factoring e Fomento Mercantil Ltda. A quebra de seu sigilo bancário mostra que, desde que foi criada, em 2000, a empresa nunca trabalhou com pessoas físicas e jurídicas que não fossem da família Sarney. Para o Ministério Público, o fato de a São Luís Factoring funcionar dentro das empresas da família, não ter placa de identificação nem trabalhar para outras pessoas indica que está sendo usada para finalidade diversa daquela para que foi criada.

Os dados do sigilo mostraram também que a São Luís Factoring pagou R$ 23 milhões em cinco anos de atividade - como o que ela paga é sempre um valor bastante inferior ao que recebe, o Ministério Público quer saber quais valores serão apresentados como justificativa para o desembolso desse total.

A São Luís não é a primeira empresa ligada à família que aparece numa investigação. Sobre a Credita Factoring pesa a acusação de que foi usada no governo de Roseana (1995-2002) para uma operação irregular. A Credita, que é do marido dela, Jorge Murad, teria servido para comprar dívidas que o Estado tinha com credores (incluídas nos restos a pagar) com deságio de quase 70% e depois receber os pagamentos integrais do governo.

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20080116/not_imp110105,0.php