segunda-feira, 19 de novembro de 2007

UM HOMEM SEM MORAL

O secretário de Relações Internacionais do PT, Valter Pomar, declarou em artigo publicado no site do partido, que o senador José Sarney (PMDB-AP), não tem moral para criticar o governo venezuelano.

Pomar lembrou que Sarney fez parte do PDS, partido da ditadura militar no Brasil. "É impossível ouvir calado certa gente posando de democrata", assinalou.

Segundo o petista, ninguém é obrigado a concordar com o estilo de Chávez, mas as críticas beiram o grotesco.
"Na melhor das hipóteses, é gozado ver o senador Sarney, integrante da ditadura que censurou jornais, prendeu e matou jornalistas, criticando a não-renovação de uma concessão pública para uma empresa privada de televisão", declarou.
Realmente é um absurdo!!

12 comentários:

antonio hernesto disse...

finalmente os homens de bem desse país perderam o medo da fera e começam a expor seus podres, que desde sempre existiram, só não pudiam ser denunciados por conta do grande prestígio que o delator zé sarney tinha junto aos militares ditadores. FORA SARNEY!!!!

ernesto de la sierna disse...

é repugnante ler todas essas coisas feitas pelo sarney e pensar que passamos 40 anos cegos deixando que nosso patrimônio fosse dilapidado da forma mais vil possível. ainda bem que sarney e suas mazelas passaram para sempre.
disso tenho a mais absoluta certeza.
SARNEY NUNCA MAIS!!!!!!!!!!!!!!!

SEU JOCA disse...

VETO A SARNEY CONTINUA E PSDB NÃO QUER ALIADO DELE NA PRESIDÊNCIA DO SENADO.

O JORNALISTA JOSIAS DE SOUZA CONFIRMA QUE O PSDB NÃO QUER NEM OUVIR FALAR DE SARNEY OU QUALQUER ALIADO DELE SUCEDENDO RENAN NA CADEIRA Nº 1 DO SENADO. DON BIGODON QUE SE CUIDE PORQUE O LIDER DOS TUCANOS, SEN ARTHUR VIRGILIO JÁ AVISOU MAS DE UMA VEZ QUE SE SARNEY INSISTIR ELE PRÓPRIO ATIRARÁ A PRIMEIRA PEDRA. ALIÁS O BRASIL INTEIRO TÁ QUERENDO E MUITO SABER QUE PEDRAS QUENTES SÃO ESSAS QUE O SEN TUCANO TEM PARA ATIRAR EM DON BOGODON. SERÁ QUE É NITROGLICERINA POURA ?
SEGUE ABAIXO A INTEGRA DO TEXTO POSTADO POR JOSIAS DE SOUZA EM SEU BLOG SEGUIDO NO FINAL PELO LINK DE ACESSO.

20/11/2007

PSDB quer evitar que aliado de Sarney suceda Renan

A manobra realizada nesta segunda-feira (19) por Arthur Virgílio (AM) teve dois alvos visíveis e um par de alvos ocultos. Às claras, o líder do PSDB mirou em Renan Calheiros (PMDB-AL), que se preparava para trocar a renúncia ao comando do Senado pela absolvição; e em Lula, que deseja eliminar os obstáculos à votação da CPMF. Às escondidas, Virgílio levou à alça de mira o desafeto José Sarney (PMDB-AP) e seu pupilo Edison Lobão (PMDB-MA).

Um dos articuladores da renúncia de Renan, Sarney opera nos subterrâneos para acomodar na cadeira de presidente do Senado o protegido Lobão. Algo que ocorreria, segundo os planos que traçara, na próxima semana, nas pegadas da votação do segundo processo contra Renan Calheiros, aquele em que é acusado de comprar empresas de comunicação em Alagoas em sociedade secreta com o usineiro João Lyra.

Presidente da comissão de Justiça do Senado, Marco Maciel (DEM-PE) convidou Virgílio para relatar o processo de Renan, já aprovado no Conselho de Ética. Em condições normais, seria um procedimento vapt-vupt. Escalado para executar a mesma tarefa no primeiro processo de Renan (o da pensão custeada com verbas da Mendes Júnior), o tucano Tasso Jereissati (CE) apresentou o seu relatório no mesmo dia.

Virgílio, porém, enxergou na encomenda de Maciel uma avenida de oportunidades. Perguntou ao interlocutor se poderia “tencionar” o ambiente. Tensão é algo que não combina com a afabilidade de Maciel. Mas o DEM, partido do senador, não deseja senão convulsionar a tramitação da emenda que prorroga o imposto do cheque até 2011. E Maciel assentiu.

Na seqüência, Virgílio, num gesto de cortesia política, informou a Tião Viana (PT-AC), presidente interino do Senado, acerca de suas intenções. Disse que não apresentaria o seu relatório antes de quarta-feira (28) da semana que vem. Insinuou que um outro senador oposicionista deve pedir vista do processo, adiando a deliberação da CCJ para a primeira semana de dezembro. Uma fase do calendário em que, pelos planos de Lula, o governo já teria removido do caminho da CPMF o "problema Renan".

Além de acomodar o governo definitivamente no colo de Renan, Virgílio jogou, segundo suas palavras, “água no chope” de José Sarney. Para não deixar dúvidas quanto às suas intenções, o senador conversou também com o líder do PMDB, Valdir Raupp (RO), um ativo soldado da milícia congressual de Renan. Aconselhou-o a providenciar um peemedebista palatável para ocupar a cadeira de presidente do Senado.

Raupp e Renan, seduzidos por Sarney, aderiram à candidatura não-declarada de Lobão. Entre quatro paredes, o líder do PMDB enxerga defeitos em todos os outros pretendentes ao comando do Senado –os peemedebistas José Maranhão (PB), Pedro Simon (RS) e Garibaldi Alves (RN). Só vê virtudes no preferido de Sarney. Um nome que o PSDB e parte do DEM rejeitam.

Se quiser, o consórcio governista pode abortar a manobra de Virgílio. Basta que as legendas que dão suporte a Lula se associem num requerimento pedindo a transferência do processo contra Renan da comissão de Justiça para o plenário do Senado. Virgílio reconhece que o regimento faculta esse tipo de reação aos governistas. Mas avisou a Tião Viana: "Se isso acontecer, vamos sair do terreno da Convenção de Genebra e partiremos para a guerrilha do Vietnã. O que não seria bom para ninguém.”

Abespinhado, Renan Calheiros, que já esboçara o discurso de renúncia que leria na sessão de quinta-feira, ameaçou retomar a cadeira de presidente. Sabe, porém, que o retorno envenenaria o ambiente, pondo em risco uma absolvição que todos dão como certa. Assim, o mais provável é que Renan renove o seu pedido de licença, que vence na próxima segunda-feira (26). Uma hipótese que prolongaria a interinidade de Tião Viana pelo menos até que fosse desatado o nó em que Arthur Virgílio amarrou, num mesmo embrulho, Renan, Lula, a CPMF, o PMDB, Sarney e Lobão.

Nas conversas que manteve com Tião e Raupp, Virgílio disse que, se quiser absolver Renan, o governo, o PMDB e, sobretudo, o PT terão de assumir o desgaste. “Essa conta nós não vamos pagar”, disse. Pela contabilidade de Renan, a absolvição virá com a ajuda de pelo menos dois votos tucanos e cinco ‘demos’.

Escrito por Josias de Souza às 04h53

http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/arch2007-11-18_2007-11-24.html#2007_11-20_04_53_11-10045644-0

José disse...

Já tivemos a oportunidade de comentar neste blog a falta de estatura moral do Zé Sarney para criticar este ou aquele governo, esta ou aquela administração em virtude da sua biografia política. Quem não conhece os tenebrosos caminhos percorridos por Sarney ao longo de sua trajetória política? Quantos pactos de traição, de deslealdade o senador pelo Amapá teve que aderir para se manter no poder ou à sombra dele desde a sua juventude? Qualquer outro pode criticar o governo Hugo Chávez ou dele discordar, menos Zé Sarney! Fiel escudeiro e boneco ventríloquo dos generais-ditadores por mais de vinte anos não tem moral para dar aula de democracia para ninguém.
Para essa raposa felpuda, as palavras do king: "Por que não te calas?"
XÔ, SARNEY!!!!!!!!!!!!!!!!!

SEU JOCA disse...

NEM LULA APOSTA EM SARNEY E SEUS ALIADOS.

SEGUNDO A FOLHA DE SÃO PAULO DE HOJE O PALÁCIO DO PLANALTO, LEIA-SE LULA, NÃO ESTÁ APOSTANTO SUAS FICHAS NEM EM SARNEY E NEM MUITO MENOS EM LOBÃO PARA SUSCEDER RENAN NA CADEIRA Nº1 DO SENADO. A FOLHA ALIÁS ACABA POR DESMENTIR OS BLOGUEIROS DO SISTEMA MIRAGEM ALÉM DO JORNAL DE DON BIGODON QUE OBVIAMENTE TRATARAM RAPIDAMENTE DE ENCHER A PELOTA DO SENADOR VARETA. TÁ FEIA COISA HEIM DON BOGODON !

20/11/2007 - 09h30
Planalto aposta em Garibaldi ou Maranhão para suceder Renan

Folha Online

Na avaliação do Planalto, os peemedebistas com mais chances de suceder Renan Calheiros (AL) na presidência do Senado são, pela ordem, Garibaldi Alves (RN) e José Maranhão (PB), informa nesta terça-feira reportagem da Folha (íntegra somente para assinantes do jornal ou do UOL).

Segundo a reportagem, para o governo, Pedro Simon (RS), Gerson Camata (ES) e Edison Lobão (MA) têm poucas chances de serem escolhidos pela bancada.

A Folha informa que, apesar de ter sido um duro adversário do governo na presidência da CPI dos Bingos, Garibaldi reconstruiu pontes com o presidente Lula. Já Maranhão teria a simpatia de Renan, mas reuniria menos apoio na bancada e na oposição do que Garibaldi.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u346918.shtml

SEU JOCA disse...

O EX-GOVERNADOR JOSÉ REINALDO TAVARES, ENTROU DE SOLA EM DON BIGODON NO ARTIGO DE HOJE E QUESTIONA QUE TIPO DE "PAZ" QUER O SENADOR.


Será verdade?

José Reinaldo

O senador José Sarney deu uma entrevista em um dos órgãos que formam o seu império de comunicação dizendo que é da paz, que sempre foi da paz e que só quer o bem de todos. Praticamente disse que é um incompreendido em sua própria terra e que ninguém o entende.

E aproveitou para reclamar da “Frente de Libertação”, dizendo que não precisaria ser formada, pois ele nem disputa mais eleições no Maranhão. Acho que está muito traumatizado com a “Frente” e o que ela conseguiu fazer nas últimas eleições do estado, quando ele conheceu pela primeira vez o travo amargo da derrota, algo impensável para o ex-presidente, principalmente porque a candidata era Roseana Sarney Murad, considerada imbatível por todos.

Difícil é reconhecer qual é o José Sarney em que vale acreditar; se o José Sarney que escreveu seu famoso artigo, também publicado em um dos órgãos do seu império de comunicação no dia 1º de janeiro deste ano, ou este da recente entrevista. Qual é o verdadeiro? No primeiro caso, o que mostrou pela primeira vez foi todo o ódio que traz dentro de si, mas que é contido porque não é de bom tom que um homem que foi presidente da República e pertence aos quadros da Academia Brasileira de Letras mostre esses sentimentos vis, como o ódio (ao qual ele sempre jurou ser imune), e agora este José Sarney da nova entrevista, que mais parece um pastor do bem que só quer a paz. Qual será realmente o legítimo?

No dia 1º de janeiro foi impossível se conter. Afinal era dia de posse no governo do estado do seu inimigo histórico Jackson Lago, que venceu em pleito sua filha Roseana Sarney, que ali estava como sua sucessora no comando da oligarquia, um feito que jamais será esquecido.

Naquele dia passou por cima de todas as conveniências e práticas de boas maneiras e também pelo politicamente correto que é, em caso de perda de eleição, não passar recibo. A dor era maior, não conseguiu se conter, e o ódio rolou solto, sem revisão e sem freios em um impulso irresistível.

Insultou como nunca, rogou as pragas do inferno para seus inimigos que iriam arder para sempre em caldeirões que permeavam os seus desejos de atingir seus adversários e inimigos políticos, eu principalmente.

Naquele dia, era a primeira vez em 40 anos que uma pessoa indicada por ele ou um membro de sua família não assumia o governo do estado. Não dava para se conter mesmo.

Prometeu que eu seria preso, como de fato fui mais tarde, entre as penas que me desejava aqui na terra, fora aquelas que me desejava no mundo das trevas, como se referiu.

Fui preso em um estranho processo em que a culpa principal era uma obra de grande valor que supostamente teria dado à Gautama, conforme está no processo acusatório, sem levarem em conta ou não saberem que a licitação já havia sido feita dois meses antes da prisão e que a Gautama não se classificou, e que participaram 21 empresas e quem ganhou foi a Construtora Sucesso, a mesma que foi contratada por Roseana Sarney para fazer o primeiro trecho. Muito estranho não é Sarney? Como já sabia em janeiro que eu seria preso em maio?

Foi tão obscuro que o jornalista Melquíades Filho, em artigo na Folha de S. Paulo, mostra a sua perplexidade com a chamada “Operação Navalha” e a maneira como atuou e prendeu tanta gente.

O ex-presidente falou em paz e se disse preparado para a derrota, enquanto seu império de comunicação bate forte em quem estiver no governo. Vão muito além da oposição política para quase sempre partir para a mentira e a desinformação, a calúnia e o ataque sem limites, tentando intimidar. Fala em paz enquanto tenta jogar a opinião pública contra o governo Jackson Lago em campanhas que muitas vezes beiram a irresponsabilidade, enquanto seus holofotes tentam fomentar greves sem fundamento.

No entanto, se realmente quisesse a paz, seria muito fácil mostrar que mudou e agora finalmente quer ajudar o seu estado. Basta fazer um gesto que todas as dúvidas e incredulidades seriam superadas.

E o gesto é fácil de fazer, pois só depende dele. Bastaria retirar o processo que está no Superior Tribunal Eleitoral com o qual pretende cassar o mandato do governador Jackson Lago.

Seria um gesto e tanto! Dá para acreditar nisso?

http://www.jornalpequeno.com.br/2007/11/20/Pagina68061.htm

J.J.SILVA disse...

São criticas de uma pessoa revoldada com a vida.

Anônimo disse...

As críticas do senador Sarney ao ditador venezuelano são petinentes, entretanto, como ninguém acredita no que esse cidadão fala e escreve, fica o dito pelo não dito. Quanto ao Valter Pomar, na verdade ela está apenas defendendo o ditador amiguinho do grande timoneiro e seu patrão Lulla em busca do terceiro mandato. É bom lembrar ao Pomar q o senador Sarney, integrante da ditadura q censurou, prendeu e matou jornalistas também é INTEGRANTE importante do governo petralha. O q ocorreu? Sarney mudou e agora é um democrata convicto? Pomar não acredita. Ou o PT agora se alia a qualquer um q lhe dê apoio, inclusive ex-integrante da ditadura e pessoa sem moral? "Por qué no te callas" Pomar.

SEU JOCA disse...

BLOGUEIRO MIRANTEANO CHAMA FOLHA DE SÃO PAULO E SEU JORNALISTA MELCHIADES FILHO DE BOATEIROS.

DÉCIO SÁ ALOPROU DE VEZ E NA MAIOR CARA DE PAU TENTA ENGANAR O LEITOR DO BLOG DELE DIZENDO QUE SÃO OS INDICIADOS MARANHENSES E SEUS ADVOGADOS QUEM ESTÃO ESPALHANDO BOATOS CONTRA A NAVALHA. DÉCIO ACABOU CHAMANDO DE MARANHESES O JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, UM DOS MAIORES DO BRASIL E SEU JORNALISTA MELCHIADES FILHO E PIOR AINDA CHAMA A AMBOS DE BOATEIROS JÁ QUE COUBE A ELES A DIVULGAÇÃO DA NOTÍCIA DE QUE A NAVALHA ESTÁ COMPLETAMENTE IRREGULAR, TUDO AO ENTREVISTAR O PROCURADOR GERAL DA REPÚPLICA QUE COMO NÃO PODERIA DEIXAR DE SER É ÓBVIO QUE NUNCA IRIA DEIXAR DE DIZER QUE A OPERAÇÃO FOI LEGAL OU ALGUÉM ACREDITA QUE ELE IRIA SE CONFESSAR CULPADO JUSTAMENTE AO SISTEMA MIRANTE ?


"Perguntei também sobre boatos espalhados pelos acusados maranhenses e seus advogados sobre uma possível anulação do caso por conta de supostas falhas no processo."

seu riba disse...

o poder adoece. a prova viva de tal afirmação é senador pelo miserável estado amapaense josé sarney. este homem foi tudo que um político deseja ser, chegando até a presidência da república, deteve muito poder, já poderia estar aposentado vivendo de sua história, mas não, prefere viver humilhado, espezinhado, derrotado e desmoralizado, tudo na esperança de um dia ter o poder em suas mãos, algo cada vez mais difícil de se realizar. FORA CAQUÉTICO.

Giovanny disse...

Que história é essa do senador-coronel querer dar lição de democracia condenando os métodos antidemocráticos de Hugo Chávez? Quem não sabe que Sarney andou de mãos dadas com os generais-ditadores durante mais de vinte anos? Quem não sabe que esse escombro político foi amante da ditadura no Brasil? Quem não sabe que sua oligarquia no Maranhão perdurou por quase quarenta anos levando o nosso estado à miséria? Sarney, me compre um bode!

Roberto Jr., do Santa Cruz disse...

Que moral pode ter esse rescaldo da ditadura militar? Sarney é um entulho político que envergonha não só o Maranhão mas o Brasil inteiro. No exterior é motivo de chacota por suas quixotadas e aqui no Maranhão é sinônimo de atrazo, de decadência. Um velho desse que está caindo de podre deveria mais era sair de cena e se enfurnar na biblioteca que ele tem na ilha de Curupu. Veja só, um ardoroso defensor de Renan Calheiros, tanto ele como a filha, tem moral para balbuciar uma censura, uma reprimenda? Nem para os netos!