segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Como terminará algo que não começou?


Elogiar faz bem, muita gente adora ser elogiada, só que nunca gostam de ser cobradas. Parece tão natural que as pessoas queiram apontar dedos em várias direções, mas são incapazes de assumirem que estão erradas e procurem acertar.


Já estamos no meio de uma eleição e até agora, nada parece acontecer. Uma mornidão tremenda parece tomar conta das pessoas, nada novo, empolgação alguma. Em 2006 na ultima eleição majoritária, a essa altura estávamos a todo vapor.


Não entendo até agora, aonde foi parar aquela vontade de sair às ruas e pedir mudanças, a própria militância oposicionista parece dormir. Nas ruas poucos anúncios, carros de som e minidoors, os que têm na maioria são governistas.


A onda vermelha comandada por Flávio Dino, só fez marola até agora. O PDT do 12,12, 12… nem meia dúzia, nada de militância nas ruas, nem mesmo os secretários balaios que comandaram o governo do 12, deram as caras.


Em contrapartida a essa dura realidade, os carros de som de Ricardo (Murad) e Roseana (Sarney), ganham as ruas com musicas mentirosas dizendo que Roseana tem que terminar o que começou, como se ela que tivesse sido arrancada do governo à força.


E então companheiros, só resta então perguntar: entregaremos os pontos?

Um comentário:

Mano disse...

Chega-se à conclusão de que o povo maranhense gosta mesmo é de uma chibata, pois não se cansa de levar vergastada no lombo. Parece que quanto mais apanha, mais sofre, mais gosta de votar nesses imundos. É uma espécie de masoquismo, de gozar com o auto-sofrimento. Às vezes acho que grande parte da população tem um cérebro mais diminuto do que aquelas cobaias de laboratório, pois até um animal estúpido e irracional como um rato, consegue trilhar um caminho diferente em um labirinto após tomar choques. Será que somos ratos da senzala sempre buscando as migalhas da Casa Grande para nos alimentarmos?