terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Um dia após a denuncia, nada mudou!

Essa não é uma avenida de um país em conflito interno. Não é o Haití, nem a Etiópia.

Por incríevel que pareça é uma das mais movimentadas avenidas da capital do Maranhão, que leva ao aeroporto, e às praias.
Aqui um doente mental vive bem à vontade sem que ninguem o incomode.

Mas, por que esse doente mental iria deixar de viver debaixo do Viaduto da Cohama, para morar num manicômio, que é pior que um lixão?
As imagens são fortes: sujeiras, fedor, dejetos fecais, verdadeiros zumbis perambulando pelas ruas.

Não, nós não estamos numa guerra, nem aqui é o Haití...

Esse é o Maranhão a “terra do Sarney”.

Um comentário:

Mano disse...

É isso, Ricardo. Essa é a terra criada pelo coronel-demiurgo: para o deus-Sarney, o luxo, para a população miserável, o lixo e os excrementos.