terça-feira, 7 de julho de 2009

SEGURANÇA DE SARNEY CUIDA DE GRAMPO NO MARANHÃO!!!

Acusado em inquérito da Polícia Federal de vazar informações sigilosas à família Sarney, o segurança do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), passou a chefiar a área responsável pelo sistema de grampos da Secretaria da Segurança Pública do Maranhão.

Agente da PF, Aluísio Guimarães Mendes Filho é desde abril o secretário-adjunto de Inteligência. Foi alçado ao posto pela governadora Roseana Sarney (PMDB).
Embora ocupe o cargo de secretário-adjunto, Aluísio continua na função de segurança do senador. Na semana passada, viajou a Brasília para acompanhar Sarney no Senado.

Conforme a PF, o governo do Maranhão pediu ao Ministério da Justiça que o agente seja cedido ao Estado, mas ainda não há decisão sobre a solicitação.
A pasta que Aluísio assumiu comanda o sistema Guardião, capaz de grampear simultaneamente conversas telefônicas de 300 celulares e 48 telefones fixos. Avaliado em R$ 1 milhão, o sistema foi doado pelo Ministério da Justiça em 2007 -é o mesmo usado pela PF.

Usado na investigação de crimes, o programa de computador foi concebido para deixar arquivados os dados de todas as escutas telefônicas que realizou. Por isso pode sofrer auditorias a pedido de advogados.

Apesar dessa segurança, em março passado, um ex-funcionário da Secretária da Segurança Pública do Rio Grande do Sul afirmou que o Guardião foi utilizado em grampo ilegal.

Em texto que assinou na Folha em junho de 2008, com título "O perigo telefone", Sarney tratou do tema das escutas e disse que "nos Estados a coisa é mais primária". "Várias unidades da Federação criaram Abins [agências de inteligência], inclusive o Maranhão, todas têm o famoso Guardião."

No ano passado, a PF flagrou Aluísio passando à família Sarney informações sigilosas da Operação Boi Barrica, cujo alvo era um dos filhos do senador, Fernando Sarney, suspeito de tráfico de influência, crimes contra o sistema financeiro e crime eleitoral.

A PF chegou a pedir a prisão preventiva do segurança, mas a Justiça negou. Depois, foi aberto um inquérito para apurar a atuação de Aluísio, acusado de violação de sigilo funcional. (Hudson Corrêa e Leonardo Souza na FOLHA DE S.PAULO)

Secretário diz não haver prova contra nomeado

O secretário de Comunicação do Maranhão, Sérgio Macedo, por meio de nota, disse que não há prova de culpa de Aluísio Guimarães Mendes Filho no episódio de vazamentos de informações sigilosas.

"O governo não tem poderes para julgar e condenar as pessoas ditas suspeitas. Até que não se prove que ele tem culpa, ele não é culpado de nada."
Aluísio afirma que o inquérito da PF não o impede de assumir a pasta que cuida do Guardião. "A princípio, é uma investigação em que não há nenhuma prova concreta do meu envolvimento nesse vazamento de informação."

Conforme Aluísio, o Ministério da Justiça deu autorização para ele assumir o cargo no Maranhão. A assessoria do ministério informou, porém, que, para o órgão, Aluísio continua na função de segurança de José Sarney.
A assessoria de Sarney afirmou que o senador não comentaria a nomeação de seu
segurança. A Folha não conseguiu falar com o empresário Fernando Sarney. Ele sempre negou envolvimento em crimes e vazamentos de informações sigilosas.

Um comentário:

Mano disse...

Tanta sujeira, tanta patifaria, tanta farra com o dinheiro público, e ainda assim o Coronel continua livre, leve e solto.
Vou criar o movimento Liberdade para Fernandinho Beira-Mar, pois não vejo diferença alguma entre esses dois meliantes.