terça-feira, 18 de março de 2008

SUPRA-SUMO DO CINISMO!!!!

O cinismo e a falta de respeito com o povo maranhense por parte da senadora Roseana Sarney alcançou seu pico máximo na terça-feira, quando numa de suas raras aparições no senado subiu à tribuna e num discurso que misturava hipocrisia e descaramento disse que " O Maranhão é uma terra de oportunidades perdidas".

Ora, ou quem redigiu o discurso da senadora quis usá-la para fazer uma piada de mau gosto ou Roseana deve achar que nós maranhenses somos o povo mais idiota do mundo para acreditar nessa sandice.

Em seu desavergonhado discurso, a senadora filha de Sarney, tentou jogar a responsabilidade pela falta de investimentos no Estado nas costas do ex-governador José Reinaldo e do atual Jackson Lago, quando todos sabem que durante os 8 anos que Roseana foi governadora, o Maranhão passou por seus piores momentos.

Como Roseana pode falar em oportunidades perdidas se foi ela quem deu os maiores calotes nos maranhense com falcatruas comprovadas.

4 comentários:

Anônimo disse...

Ricardo
Complexos mal administrados manifestam-se de formas as mais esquisitas. Freud já nos ensinara a teoria do ATO FALHO.
Parece ser o caso da senadora mudinha.
Calada já é um desastre, falando então....
Quando o "fantasminha" de Brasília se referiu a "oportunidades perdidas", pensou mesmo foi nas suas "ILUSÕES PERDIDAS".
As possibilidades de retorno aos Leões, haja o que houver com o mandato do Jackson, são remotas, improváveis, para não dizer impossíveis. Os juristas consultados explicam as firulas legais que dificultam este sonho impossível da "branca". Sua frivolidade a impede de enxergar o óbvio.
Resta-lhe apenas chorar sobre o leite derramado e espernear, como faz agora.
As demais senadoras, articuladas, competentes, batalhadoras, ocupam a tribuna para abordar assuntos sérios, honram seus Estados e cuidam dos interesses destes.
A nossa "representante", coitadinha, apagada, inexpressiva, "funciona" ao contrário. Vive obcecada em denegrir os adversários políticos, que a venceram com uma surra de votos memorável. Como se adiantasse tanto despeito.
Dor de cotovelo também mata e o caso realmente pode ser bem mais grave do que parece.
Aonde foi parar a tal "licença" para tratamento de saúde??
Seria oportuníssima.
A julgar pelas aparências os sintomas se agravam com rapidez.
Se piorar, só internando, para evitar mais desatinos.
Vale suspirar, recordar, chorar e lamentar!!
O "brinquedinho de estimação", bem, esse, "o vento levou"....
Bye bye, Rose
Timbira

Gustavo Lopes disse...

Bom num misto de cinismo mas tambem de verdade a "fatasminha" assumiu que o Maranhão é, ou foi uma terra de oportunidades nessas ultimas decadas, mas será que ela esqueceu quem comamdava o estado nesse periodo e que ela mesmo foi quem mais contribuiu para afundar a economia do Maranhão. Só muito oléo de peroba...

SEU JOCA disse...

ZÉ REINALDO GANHA GRANDE PRESENTE DE ANIVERÁRIO E O SISTEMA MIRAGEM PERDE SEU DISRCURSO! PARABÉNS GOVERNADOR PELO DIA DE HOJE, PAZ SAÚDE E FELICIDADE SEMPRE!

FOLHA DE SÃO PAULO URGENTE!

REVOGADAS TODAS AS PRISÕES DA NAVALHA!

A NAVALHA DEFINITIVAMENTE FEZ ÁGUA, COM A DECISÃO DE ONTEM DO STF, QUE REVOGOU ONTEM TODOS OS PEDIDOS DE PRISÃO EMITIDOS PELA MINISTRA ELIANA CALMON. SEGUNDO O STF OS PEDIDOS CARECEM DE DE MOTIVOS NECESSÁRIOS QUE DEMOSNTRASSEM A NECESSIDADE DAS PRISÕES OU SEJA O STF CONSIDERA IRREGULARES TODAS AS PRISÕES FEITAS POR OCASIÃO DA NAVALHA. A MINISTRA ELIANA CALMON E O PROCURADOR GERAL DA REPÚBLICA VÃO TER MUITO O QUE EXPLICAR. ALIÁS A DECISÃO DE STF PODE GERAR UMA CORRIDA DOS PRESOS A JUSTIÇA EM BUSCA DE INDENIÇÕES PELA EXPOSIÇÃO DESNESSESÁRIA E DESCABIDA QUE TIVERAM POR CONTA DAS PRISÕES IRREGULARES QUE SOFRERAM.
18/03/2008 - 20h04
STF estende habeas corpus a todos os envolvidos na Operação Navalha

da Folha Online

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta terça-feira estender as decisões concedidas hoje a funcionários da construtora Gautama para todos os investigados na Operação Navalha, da Polícia Federal, que tenham habeas corpus em tramitação na Suprema Corte contra a ordem de prisão preventiva decretada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Com a decisão, da Segunda Turma do STF, estão suspensas as prisões preventivas contra os envolvidos com o suposto esquema de fraude em licitações públicas.

Hoje à tarde, o STF manteve as liminares que em maio do ano passado suspenderam as prisões preventivas de funcionários da Gautama. Segundo o Supremo, a decisão mantém em liberdade os funcionários Abelardo Sampaio Lopes Filho, engenheiro e diretor; Maria de Fátima Palmeira, diretora comercial; e João Manoel Soares Barros.

Para os ministros, o decreto de prisão preventiva dos funcionários não estava fundamentado em elementos concretos, necessários para demonstrar os motivos para a detenção.

A prisão preventiva contra os funcionários foi decretada pela ministra Eliana Calmon, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), relatora do inquérito contra os investigados na Operação Navalha.

A decisão que estende a liberdade aos investigados na Navalha foi tomada no julgamento no habeas corpus que concedeu liberdade a Ivo Almeida Costa, ex-assessor do ex-ministro de Minas e Energia Silas Rondeau.

Na semana passada, a Segunda Turma do STF também manteve a liminar que revogou a prisão preventiva do empresário Zuleido Veras, dono da Gautama e apontado como chefe do suposto esquema.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u383353.shtml

SEU JOCA disse...

DEU NO BLOG DE WALTER RODRIGUES!

JORGINHO MURAD, MARIDO DA SENADORA TERTA, FILHA DE PANTELEÃO É FORNECEDOR DE PEDRA BRITA ADIVINHEM PARA QUEM: PARA A VALE, AQUELA MESMO QUE BANCA O VALE FESTEJAR E QUE SE RECUSA A INSTALAR AQUI A SIDERÚGICA. ALGUÉM AI AINDA TEM DÚVIDA DE QUEM ETÁ BARRANDO A SIDERÚRGICA DA VALE?????
POIS É SENADORA TERTA, MENTIRA TEM PERNAS CURTÍSSIMAS..........
terça-feira, 18 de março de 2008

Jorginho tira leite das pedras

O ex-todo-poderoso secretário de Planejamento e Desenvolvimento do governo do Maranhão, Jorge Murad, marido da ex-governadora Roseana Sarney, se vira como pode. Agora, em lugar da maciez dos valores mobiliários, Jorginho ou JM arranca das pedras o leite das crianças. Com ajuda de sócios e amigos bem posicionados.

Oficialmente ele dedica seu tempo a uma entidade cultural-beneficente sem fins lucrativos, o Instituto Geia, formado pela associação de empresas como a Cemar, ex-estatal energética do Maranhão, e as onipresentes Alcoa e Vale, entre outras.

Não oficial, porém não menos efetivamente, entre outros negócios, explora duas minas de pedra brita nos municípios de Rosário e Bacabeira, a cerca de 60km de São Luís. A mais antiga chama-se Rosário Mineração.

Quem aparece no comando da firma é Severino Cabral, dono da Pleno Engenharia, também sócio de JM na Lunus, a malfadada empresa de participações que permitiu ao esquema José Serra liquidar a candidatura Roseana à presidência da República em 2002, com ajuda do promotor tocantinense Mário Lúcio Avelar.

JM não pôs o nome no contrato social, mas é consabido que Severino o representa na firma. Os dois outros sócios são o cearense Fernando (não foi possível identificar o sobrenome) e José Augusto Murad, personagem estratégico, primo de JM e cunhado do prefeito da capital, Tadeu Palácio (PDT).

Casado com Maria, irmã de Tadeu, José Augusto Murad é o dono atual da Escudo Engenharia, empresa fundada por Miguel Dualibe e outros sócios de Fernando Sarney outrora reunidos na Remoel, Premolde e outras empresas fornecedoras de bens e serviços à Cemar. Isso nos tempos em que o filho do ex-presidente da República mandava no setor estadual de energia.

Mineradores unidos

Os mesmos sócios — Severino Cabral, José Augusto Murad, Fernando cearense, mais o invisível JM — constam também do contrato social da segunda firma, a Bacabeira Mineração, que está sendo ou acaba de ser modificado na Junta Comercial do Maranhão.

O ex-primeiro cavalheiro comprou a Bacabeira da própria Vale, que já é seu principal cliente na Rosário. Por alguma razão ainda não apurada, o fornecimento de brita à Vale é intermediado por outro primo de JM, Henry Dualibe, dono da Ducol, empresa que também representava os interesses de Fernando Sarney nos tempos da Cemar privada.

Além da Vale, JM e sócios fornecem à Prefeitura de São Luís e outros clientes.

JM tem estreitas relações com a Vale. Foi no tempo dele que o estado facilitou a ampliação dos negócios da Vale no porto do Itaqui, após conseguir que o governo Fernando Henrique o arrendasse ao Maranhão por 25 anos, prorrogáveis por outros 25. Mas, espírito aberto, também não tem nada contra fazer negócios com a prefeitura da capital.

http://www.walter-rodrigues.jor.br/