terça-feira, 9 de novembro de 2010

Clima de guerra define situação do Maranhão


Em plena visita do ministro da justiça Gilmar Mendes ao Maranhão, acontecimentos denunciam o alto nível de violência e falta de segurança que a população do estado está sofrendo.


Apenas no mês de outubro foram mais de 50 assassinatos, que foram classificados pelo secretário de segurança como sendo “acertos de contas” entre traficantes. Resta saber agora, se as mortes dentro do presídio serão classificadas pelo secretário Aluízio, como “limpeza do presídio”, para que haja vagas para novos presidiários.


Índios bloqueiam rodovia e ferem um delegado a tiros


Na BR 226, a situação ainda é drástica, índios armados fazem barricadas impedindo a passagem de caminhões e ônibus de viagem. A situação no local já é conhecida pelas autoridades, os índios armados de espingardas e facões sempre cobraram pedágios no local, mas as autoridades nada fazem.

Na semana passada um caminhoneiro foi assaltado e estuprado pelos índios. Até o momento ninguém soube dizer quem é o verdadeiro responsável pelo caso, se a Polícia Federal, FUNAI, ou a PM. Uma tropa federal foi chamada e já está no local.

Faltam vagas no Hospital do Servidor

Enquanto os jornais não se entendem sobre os números de mortos na rebelião de Pedrinhas (9, 10, 11, ou 14), os agentes feridos não conseguiram receber atendimento no Hospital do Servidor (Ipem), e tiveram que ser transferidos para a rede particular: no primeiro momento foram jogados para o Hospital Aliança, depois para o São Domingos, até que o Estado resolvesse pagar o atendimento…


Presos liberados pela justiça andam armados pela cidade

Acabo de ver pela TV Mirante, que dois homens foram presos pela polícia portando armas de fogo. Um deles, chamado de Manuel, foi preso de posse de um revolver. Outro preso de justiça , que estava gozando das benesses da liberdade que a justiça lhe concede, também foi preso portando um revolver.

Não precisamos de bolas de cristal para saber que esses dois iriam assaltar, e talvez matar. Nessas horas, os responsáveis pela liberdade desses marginais nunca estão presentes, nem os “direitos humanos”.
O pior que nem a polícia está livre dos assaltos, ontem, após sacar uma quantia do banco, um coronel reformado da PM foi a mais nova vítima dos assaltantes. O coronel Mario Veriano, ao sair de um banco no Centro da Cidade, foi seguido por dois homens numa moto, foi assaltado, tentou reagir e foi baleado.

Todos podem ver, inclusive, o ministro Gilmar Mendes, que o Maranhão vive uma explosão de violência, diferente da que foi anunciada pelo secretário de segurança, que para fugir da responsabilidade classificou de “acerto de contas” os assassinatos que ocorreram apenas no mês passado.

Daqui a pouco mostrarei um vídeo para que o leitor tire suas conclusões.

3 comentários:

Mano disse...

A oligarquia pratica a política de terra arrasada, e após isso espolia o que resta do combalido estado do Maranhão.

Mano disse...

Ricardo, e o site do blog no JP continua sem liberar os comentários? É frustrante isso!

Ricardo Santos disse...

Sim meu nobre amigo Mano, infelizmente!