terça-feira, 4 de agosto de 2009

Sarney e seus amiguinhos.

Velha raposa


O senador José Sarney voltou do recesso e continuou a aprontar das suas, nomeou 36 atos secretos e ainda garantiu que vai ficar no cargo de Presidente do Senado, porém nos bastidores a pergunta é, até quando?


Diga com quem anda e te direi quem é
Ontem um bate-boca no Senado repercutiu na imprensa nacional, o senador Pedro Simon do PMDB pediu de forma contundente a renúncia do Presidente do Senado José Sarney no contraponto os senadores Renan Calheiros e Fernando Collor ambos de Alagoas defenderam veemente Sarney, Esses são os senadores que apóiam Sarney, vejamos o quanto ambos tem moral suficiente para defender alguém.




Renan Calheiros


É ex-presidente do Senado ele renunciou o cargo em 2007 após varias denúncias. Começaram com a revelação, em reportagem de capa da revista Veja, de que a empreiteira Mendes Júnior pagava 12 mil reais por mês à jornalista Mônica Veloso. Segundo a revista, Mônica havia sido amante de Renan e tivera um filho com ele.



A partir de então, uma sequência de denúncias na mídia relatou: a compra de rádios em Alagoas, em sociedade com João Lyra, em nome de laranjas; o ganho com tráfico de influência, junto à empresa Schincariol, na compra de uma fábrica de refrigerantes, com recompensa milionária; o uso de notas fiscais frias, em nome de empresas fantasmas, para comprovar seus rendimentos; a montagem de um esquema de desvio de dinheiro público em ministérios comandados pelo PMDB; e a montagem de um esquema de espionagem contra senadores da oposição ao governo Lula.


Ao todo, houve seis representações no Conselho de Ética do Senado do Brasil, por seus pares, pedindo a cassação de Renan. Sob pressão do público, Renan desistiu da presidência, embora sem abandonar o mandato.




Fernando Collor


Eleito Presidente da República em 1989 e assumindo o mandado em 1990, Collor sofreu um processo de impeachmente e para tentar não perder os direitos políticos renunciou o cargo horas antes do seu julgamento. Afastado da presidência em 2 de outubro, foi julgado pelo Senado em 29 de dezembro de 1992.



Como último recurso para preservar os direitos políticos, Collor renunciou ao mandato antes do início do julgamento, mas a sessão teve continuidade. Foi condenado à perda do cargo e a uma inabilitação política de oito anos pelo placar de 76 votos a 5 numa sessão presidida pelo ministro Sydney Sanches, presidente do Supremo Tribunal Federal.



Fernando Collor segundo o relatório final da “CPI do PC” nele constava a informação de que o ex-presidente e os familiares tiveram despesas pessoais pagas pelo dinheiro recolhido ilegalmente pelo “esquema PC” que distribuía tais recursos por meio de uma intrincada rede de “laranjas” e de “contas fantasmas”. Como exemplos materiais desse favorecimento foram citadas a reforma na “Casa da Dinda” (residência de Fernando Collor em Brasília) e a compra de um automóvel Fiat Elba.


Essas são as pessoas que pelo visto tem bons motivos para defender Sarney, já que o trio tem o mesmo objetivo: continuar a comandar seus esquemas de influência, ter participação em empresas, ter suas contas pagas, investimentos em empresas de comunicação e atos secretos para os parentes.




Censurador


Também surgiram informações de que Sarney ficou chateado com o rotulo de “censurador”, devido à proibição do Jornal O Estado de São Paulo de divulgar informações sobre o caso do Fernando Sarney na Operação Boi Barrica.



Esse Sarney é mesmo uma velha raposa dissimulada, o que o diga o Jornal Pequeno que sofre com diversos processos do Presidente do Senado, que não gostou de algumas matérias publicadas pelo periódico e também alguns blogueiros do Amapá que se desfizeram de alguns bens para poder pagar os processos movidos pelo Sarney contra eles. A mídia te que se atentar a essa informação de que o Estado de São Paulo não é o primeiro jornal que o Sarney tenta cala a boca!

Um comentário:

Mano disse...

Sério, essas figuras estão mais para Carandirú do que para o Senado.
Se gritar pega ladrão...