terça-feira, 7 de julho de 2009

PRESIDENTE DO STF GILMAR MENDES PRESTIGIA SARNEY NO FÓRUM SARNEY COSTA

“Saia às ruas excelência” ( Ministro do STF Joaquim Barbosa)
Gilmar Mendes chega num momento, em que todo o Brasil pede a expulsão do presidente do senado. Vale lembrar, que é o mesmo ministro que dias atrás numa discussão acalorada com o ministro Joaquim Barbosa, recebeu o desafio de sair ás ruas, diante das ações que põem em cheque a credibilidade da suprema Justiça.

Obs:

Senhor ministro como jornalista, me sinto prestigiado com a sua permanecia em minha cidade, adoraria servir-lhe um cafezinho, já que o meu diploma, nada vale no seu entendimento juridiquez.

3 comentários:

VANUSSA DIAS (psi) disse...

Existe no governo uma especulação de queda na arrecadação em 2009 e inssuficiencia economica p gastos e pra quem vai sobrar? sente o drama q já estao comentando aumento de impostos com previsao em aumento de arrecadação.

olha o que o amigo Filadelfo Cunha escreveu na Folha de São Paulo On line.. é pra vc refletir e me diz depois..kkkk

Vanussa Dias fazendo minhas as palavra de Filadeifos:

A ORIGEM DA EXPRESSÃO "QUINTO DOS INFERNOS"

Durante o século 18, o Brasil Colônia pagava um alto tributo para seu colonizador, Portugal. Esse tributo incidia sobre tudo o que fosse produzido em nosso país e correspondia a 20% (ou seja, 1/5) da produção. Essa taxação altíssima e absurda era chamada de "O Quinto".

Esse imposto recaía principalmente sobre a nossa produção de ouro. O "Quinto" era tão odiado pelos brasileiros, que foi apelidado de "O Quinto dos Infernos". A Coroa Portuguesa quis, em determinado momento, cobrar os "quintos atrasados" de uma única vez, no episódio conhecido como "Derrama".

Isso revoltou a população, gerando o incidente chamado de "Inconfidência Mineira", que teve seu ponto culminante na prisão e julgamento do inconfidente que mais se expôs, Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário - IBPT, a carga tributária brasileira deverá chegar ao final deste ano de 2009 a 38% ou praticamente 2/5 (dois quintos) de nossa produção. Donde se conclui que atualmente, a carga tributária que nos aflige é perto do dobro daquela exigida por Portugal à época da Inconfidência Mineira, ou seja, pagamos hoje "dois quintos dos infernos"...

Salve nossos políticos, o PAC, o mensalão, o Senado com sua legião de "diretores", a festa das passagens, mordomos a peso de ouro, o bacanal com o dinheiro público!
Só que o povo parece estar feliz, e não há clima para uma nova Inconfidência...

Viva Lulla, Sarney e quadrilha!

VANUSSA DIAS (psi) disse...

Não adianta trocar as moscas! O bolo é o mesmo.
O poder sempre será um atrativo pra esses aproveitadores

Mano disse...

Me embrulha o estômago ver a cara do Gilmar Mendes, mais um integrante dessa grande rede de proteção aos corruptos.