terça-feira, 15 de abril de 2008

Zé Reinaldo sai em defesa de Jackson

Excelente o artigo publicado hoje pelo ex-governador José Reinaldo em seu blog e no Jornal Pequeno. Sobre a atuação do grupo Sarney contra o governador Jackson Lago ele disse:
Agora, depois de tanto suspense e tanta noticia falsa, chegou a hora das testemunhas adestradas previamente na mansão do próprio comandante, com lição individual e treinamento ministrado pelos advogados, com o fim de impressionar os julgadores.


Mas o resultado foi o que sabíamos que iria acontecer. Nada adianta se tudo é mentira ou inconsistência e as próprias testemunhas de acusação, sabendo como todo o processo foi montado, não tinham a segurança necessária para conseguirem um mínimo de credibilidade no que diziam. Um desastre.
Leia a integra Clicando aqui:

15 comentários:

euclides lima disse...

grande ricardo santos, sempre atento às verdades que mostram de forma nua e crua quem as falcatruas do velho sarney.
bela dupla com o libertador zé reinaldo.

normando monteiro disse...

parabéns ao ex-governador zé reinaldo e parabéns ao ricardo santos pela sensibilidade e coragem com que vem denunciando as mazelas existentes no maranhão.

José Rêgo, Proctologista disse...

também pudera. com o ex-suplente chiquinho "cagado" escórcio como assitente dos advogados do sarney tinha mesmo que dá am... que deu. esse processo é uma farsa muito mal montada.

Anônimo disse...

rarara, e aquele chifreiro lá de Coroatá, ainda não se tocou? Ela ainda pensa que intimida alguem com as baixarias madada$ pelo seu patrão cabelera? Coitadas!!!!

Anônimo disse...

LEALDADE

Se existe uma pessoa que defende o governo do Estado com unhas e dentes, esta pessoa se chama John Cutrim. Mas o blogueiro que ficou conhecido depois de ter textos (contra Sarney) seus publicados no JP dos Bogéa, deixou de escrever em seu blog. O fato é que o Jonh, sempre manteve uma postura leal diante do que defendia, mas por conta de perseguições contra sua postura política, resolveu repensar e, por isso, parou de publicar notas em seu diário na internet. John está em maus lençóis, mas por conta de sua lealdade nunca recebeu nem um "oi" da equipe de comunicação do "Governo da esperança".


FALANDO NISSO...

Por conta de tamanha lealdade, o blogueiro Ricardo Santos foi demitido de seu emprego, sendo o mesmo vergonhosamente despejado de uma ora pra outra por um simples telefonema onde, até hoje, a empresa OI não deu sequer os motivos reais de sua demissão. Talvez por essas e outras os blogueiros estejam desestimulados a continuar defendendo um governo que libertou apenas interesses pessoais de pouquíssimos de seus fiéis escudeiros. libertou apenas interesses pessoais de alguns libertadores.

Fonte: Jornal O 4 Poder

Anônimo disse...

FALANDO NISSO...

Por conta de tamanha lealdade, o blogueiro Ricardo Santos foi demitido de seu emprego, sendo o mesmo vergonhosamente despejado de uma ora pra outra por um simples telefonema onde, até hoje, a empresa OI não deu sequer os motivos reais de sua demissão. Talvez por essas e outras os blogueiros estejam desestimulados a continuar defendendo um governo que libertou apenas interesses pessoais de pouquíssimos de seus fiéis escudeiros. libertou apenas interesses pessoais de alguns libertadores.

LEALDADE

Se existe uma pessoa que defende o governo do Estado com unhas e dentes, esta pessoa se chama John Cutrim. Mas o blogueiro que ficou conhecido depois de ter textos (contra Sarney) seus publicados no JP dos Bogéa, deixou de escrever em seu blog. O fato é que o Jonh, sempre manteve uma postura leal diante do que defendia, mas por conta de perseguições contra sua postura política, resolveu repensar e, por isso, parou de publicar notas em seu diário na internet. John está em maus lençóis, mas por conta de sua lealdade nunca recebeu nem um "oi" da equipe de comunicação do "Governo da esperança".

Fonte:Jornal O 4 Poder

Anônimo disse...

o ex-governador josé reinaldo tem feito um grande trabalho em favor do maranhão, mas precisa ter o reconhecimento daqueles que hoje são detentores do poder no estado.

joão de deus disse...

JOSÉ REINALDO NÃO PODE SER DEIXADO DE LADO, TEM QUE PARTICIPAR DE TODAS AS DECISÕES POLÍTICAS IMPORTANTES, SOBRETUDO QUANDO SE TRATAR DE ENTERRAR DE VEZ O SARNEYSMO CARCOMIDO E ULTRAPASSADO.

joão lisboa disse...

ótimo, é bom jackson seguir o exemplo e começar a fazer o mesmo em relação a zé reinaldo.

SEU JOCA disse...

ROSEANA, SARNEY FILHO E MIRANTE PERDEM MAIS UMA NO TSE.

UÉ. MAS NÃO ERAM OS ADVOGADOS DELES QUE ERAM BRILHANTES, QUE TINHAM DADO SHOW, QUE NÃO IAM PERDER UMA NO TSE? QUE COISA HEIM.....

Ministro nega recurso à Roseana Sarney, Sarney Filho e gráfica por propaganda extemporânea
16 de abril de 2008 - 16h20
Centro de Divulgação da Justiça Eleitoral

O ministro Caputo Bastos (foto), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou provimento ao Recurso Especial (Respe 27826) ajuizado pela senadora Roseana Sarney (PMDB-MA), pelo deputado José Sarney Filho (PV-MA) e pela Gráfica Escolar S.A., responsável pela impressão do jornal "O Estado do Maranhão", multados por propaganda eleitoral antecipada em decisão de primeira instância e confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA).

De acordo com a denúncia feita pelo Ministério Público Eleitoral no Maranhão, no dia 24 de junho de 2006 o jornal "O Estado do Maranhão", pertencente à família Sarney, teria distribuído entre seus cadernos boletim informativo além de fotografias do deputado Sarney Filho e da senadora Roseana Sarney.

Decisão

De acordo com o ministro Caputo Bastos, relator, a senadora Roseana Sarney alegou, em defesa, que não existiria nos autos qualquer fato ou conduta imputada a ela. Argumenta que o ilícito teria sido cometido pelo deputado Sarney Filho, pois não lhe caberia evitar nem a confecção nem a veiculação do boletim informativo.

Entretanto, salientou o ministro, as provas juntadas aos autos “demonstraram, inequivocadamente, a sua situação de beneficiária da propaganda eleitoral antecipada, apto a configurar ilegalidade atribuível à recorrente, quando comprovado o seu prévio conhecimento”.

"O caso que se apresenta nos autos é bastante peculiar, pois não se trata de qualquer propaganda eleitoral extemporânea, mas de boletim informativo de autoria do irmão da co-representada, encartado no Jornal de propriedade de sua família, em que se identifica ainda fotos de reuniões e encontros com correligionários, registrando a presença da sra. Roseana Sarney Murad”, salientou o ministro na decisão.

Ainda de acordo com o relator, a Gráfica Escolar S.A. está sujeita à sanção prevista no artigo 36, parágrafo 3º, da Lei nº 9.504/97 (Lei das Eleições), ficando sujeita ao pagamento de multa.

Em relação ao deputado Sarney Filho, que alegou inviolabilidade material, o ministro afirmou que “analisando atentamente o boletim informativo, ora impugnado, percebe-se a toda evidência, que o essencial desígnio de sua veiculação não foi o de divulgar a atividade parlamentar do representado José Sarney Filho, nem tampouco o de tecer meras críticas à administração atual do governo do Estado do Maranhão”.

Sustentou que as imunidades parlamentares (formal e material) previstas no artigo 53 da Constituição Federal, têm por objetivo proteger os parlamentares contra abusos e violações por parte dos outros Poderes constitucionais, “assegurando aos membros do Congresso a mais ampla liberdade de palavra, desde que no exercício de suas funções”.

No caso, disse o ministro Caputo Bastos, o boletim informativo “não foi confeccionado para servir às suas atividades institucionais, ou para a ‘prestação de contas’ de suas atividades regulares como parlamentar, de seus projetos, e ideários, ou mesmo a realização de críticas a atual situação política, serviu como verdadeiro palanque eleitoral, não havendo o que se falar de imunidade parlamentar”.

Por fim, lembra que a Lei das Eleições veda a veiculação de propaganda eleitoral antes do dia 6 de julho do ano das eleições, determinando que a violação sujeitará o responsável pela divulgação da propaganda e, quando comprovado o seu prévio conhecimento, o beneficiário, à multa no valor de 20 mil a 50 mil UFIR, ou equivalente ao custo da propaganda.

A conclusão do ministro, ao negar provimento ao recurso, foi de que o acórdão regional “apenas aplicou corretamente a legislação eleitoral”.

http://www.tse.gov.br/sadAdmAgencia/index.jsp?pageDown=noticiaSearch.do%3Facao%3Dget%26id%3D1013368

Anônimo disse...

deu no conjur, consultor juridico do estadao, que segundo tse roseana e sarney filho foram condenados por propaganda irregular.
vale a pena averiguar
segue o link
http://conjur.estadao.com.br/static/text/65582,1

ass. aspone

dozesprador disse...

Notícia!

Publica aí, ô, da Pública


quarta-feira, 16 de abril de 2008
Verba da Saúde na conta de Aderson
Pelo menos parte das verbas da Saúde desviadas pelo prefeito de Caxias (MA), Humberto Coutinho, durante a campanha eleitoral de 2006, foram parar na conta de uma firma pertencente a um filho do então deputado estadual Aderson Lago (PSDB), hoje chefe da Casa Civil do governador Jackson Lago (PDT), seu primo. A firma chama-se Ópera Prima Produções Artísticas Ltda e tem sede no Rio de Janeiro.

Apurada hoje pelo Colunão, esta informação vai além do que tem sido publicado pelo jornal Estado do Maranhão, pertencente à família da ex-candidata Roseana Sarney (PMDB, na época PFL), derrotada no 2o turno de 2006.

O jornal, em edições recentes, mostrou o caminho percorrido por uma verba de R$ 550 mil, repassada à prefeitura de Caxias pelo governador José Reinaldo Tavares (PSB), aliado de Jackson Lago. Mas não pôde ou não quis identificar o titular da conta corrente 3654-4, agência 2279-0, na qual foram depositados pelo menos R$ 100 mil, provavelmente muito mais.

A coligação de Roseana (PMDB-PFL-PTB etc) tenta cassar o mandato do governador sob a alegação de abuso de poder político e econômico e outras infrações ao Código Eleitoral. Um dos focos da denúncia é o que aconteceu em Caxias, quarta maior cidade do Maranhão, a 368 km de São Luís, onde o prefeito Coutinho apoiou Edson Vidigal (PSB) no primeiro turno e Jackson no segundo.

Convênios da Secretaria de Saúde (SES) e outros órgãos do Estado com a municipalidade de Caxias ultrapassaram R$ 70 milhões no período eleitoral, ao passo que prefeituras governadas por adversários de Zé Reinaldo e Jackson não recebiam nada.

Notas frias

Uma das denúncias mais detalhadas refere-se a convênio SES/Caxias para “compra de medicamentos”, no valor de R$ 550 mil, dos quais R$ 50 mil como “contrapartida” da prefeitura.

Mal a segunda parcela foi depositada na conta do convênio, totalizando R$ 375 mil, uma certa Distribuidora São Pedro, sediada em Paço do Lumiar, município vizinho de São Luís, emitiu fiscais contra a prefeitura de Caxias, no valor de R$ 372 mil.

Há indícios consistentes de que a São Pedro, pertencente a Pedro Ramos Cardoso, não passa de uma firma de fachada. Não forneceu remédio nenhum, apenas notas fiscais “frias”. Outros R$ 117,4 mil foram pagos à mesma empresa cinco dias antes da eleição de 1o de outubro de 2006

Os advogados da coligação “A Força do Povo”, de Roseana, anunciaram haver descoberto que a maior parte do dinheiro do convênio mal ingressou na conta bancária de Cardoso (aberta apropriadamente na agência Bradesco do Palácio dos Leões) e foi logo transferida para a conta de 3654-4 “da agência bancária de um bairro nobre do Rio do Janeiro”. Ficaram na conta dos Leões apenas 12% da verba, supostamente a comissão do vendedor das notas frias.

Anotações à mão feitas num documento obtido pelo Estado fazem suspeitar, mas ainda não provam, que a mesma conta tenha recebido outros depósitos, totalizando mais de R$ 900 mil.

Sem comentários

Ontem à noite, o Colunão apurou que a conta citada foi aberta numa agência do Bradesco situada no bairro da Urca, no Rio de Janeiro, pela Opera Prima Produções Artísticas.

O endereço atual da empresa, constante do saite www.operaprima.net, é Praia do Flamengo 100, Grupo 502, CEP 22210-130. Quando da abertura da conta no Bradesco da Urca, porém, o dono da firma indicou seu próprio endereço, Rua Marquês de Olinda, 1003, Bloco 1, Botafogo.

Trata-se da residência de Aderson de Carvalho Lago Neto, filho do ex-deputado estadual Aderson de Carvalho Lago Filho, atualmente chefe da Casa Civil do Governo do Maranhão.

O saite da Opera Prima também informa o número de contato (21) 2225 5749 e não foi preciso mais que um minuto para que Aderson Neto viesse ao telefone. Entretanto, ao saber qual era o assunto, ele gentilmente solicitou que eu voltasse a ligar dentro de 20 minutos, porque havia interrompido uma reunião e precisava retomá-la. A pedido, informou o emeio, adersonlago@hotmail.com.

Meia hora depois, quase às 16h, nova chamada. Agora a telefonista informa que Aderson está em reunião, sem hora para terminar, talvez “depois das 6” (18h). A insistência do jornalista atrai uma moça que se identifica como Paula Cabral, secretária. Essa diz que o chefe só estará provavelmente disponível no dia seguinte, porque a reunião é grande e vai entrar pela noite.

Passo-lhe um emeio (veja abaixo) e, meia hora depois, torno a telefonar. A reunião evaporou-se. Paula Ramos “já foi embora”. Aderson Neto “também já foi embora”. Ao que consta, somente a telefonista permanece impávida no seu posto.

Nepotismo

Não é a primeira vez que Aderson Neto, embora residente no Rio, vê-se constrangido pelas trapalhadas políticas do Maranhão. No ano passado o nome dele apareceu no maior dos vários escândalos de nepotismo do governo Jackson.

Neto foi um dos quatro parentes do chefe da Casa Civil nomeados de uma só tacada para funções de “assessoria parlamentar”, conforme publicado no Diário da Assembléia de 12/4/07.

Naquele dia, além de Aderson Neto, ingressaram no serviço público Ubiratan Lago, primo de Aderson Lago; Carolina Pires Ferreira Lago, filha; e até Maria Tereza Salomão Lago, a mãe octogenária do chefe da Casa Civil, também residente no Rio.

A divulgação do escândalo abortou o plano e os quatro foram exonerados pelo presidente da Assembléia.


Para esclarecer

Emeio do Colunão a Aderson Lago Neto, transmitido hoje às 16h27.

“Assunto: desvio de verba da Saúde no Maranhão
Prezado Aderson Lago Neto

O jornal O Estado do Maranhão, baseado em fontes oficiosas que também me fizeram contato ao longo da semana passada, noticiou recentemente um desvio de R$ 550 mil, em verbas da saúde pública estadual, ocorrido na prefeitura de Caxias (MA).

Pelo menos parte desse dinheiro, exatos R$ 100 mil, conforme documento estampado no jornal, foram depositados na conta 3654-4, agência 2779-0, Bradesco. Uma anotação manuscrita faz com que o jornal especule que referida conta teria recebido mais de R$ 900 mil durante a campanha eleitoral.

Após a publicação do documento, no último domingo, e não havendo contestação ou desmentido, dediquei-me a investigar o assunto por conta própria. Não foi difícil descobrir que o titular da conta é Opera Prima Produções Artísticas, empresa de sua propriedade.

Infelizmente, há pouco, só lhe pude falar muito ligeiramente por telefone, já que você precisou interromper a conversa para voltar à reunião de que se havia afastado. Combinamos que eu religaria em 20 minutos, mas, quando o fiz, você continuava ocupado, não podia mais ser interrompido e sua secretária informou que somente amanhã estaria acessível.

O assunto, entretanto, como há de convir, é urgente. De modo que, usando o emeio que você me forneceu e sua secretária Paula Cabral confirmou, solicito que me esclareça o que souber ou puder acerca dos fatos acima mencionados.

Atenciosamente, Walter Rodrigues
Jornalista — (98) 3235 6916 — 8814 4596

Walter Rodrigues | 20:11

Dozesperado disse...

Publica aí, ô, da Pública!

Depois, suma!
Melhor seguir o conselho. Se quiser , mando checar suas contas também. As minhas, não têm um tostão. Fui!
-----------------

Do blog do Walter Rodrigues

quarta-feira, 16 de abril de 2008
Verba da Saúde na conta de Aderson
Pelo menos parte das verbas da Saúde desviadas pelo prefeito de Caxias (MA), Humberto Coutinho, durante a campanha eleitoral de 2006, foram parar na conta de uma firma pertencente a um filho do então deputado estadual Aderson Lago (PSDB), hoje chefe da Casa Civil do governador Jackson Lago (PDT), seu primo. A firma chama-se Ópera Prima Produções Artísticas Ltda e tem sede no Rio de Janeiro.

Apurada hoje pelo Colunão, esta informação vai além do que tem sido publicado pelo jornal Estado do Maranhão, pertencente à família da ex-candidata Roseana Sarney (PMDB, na época PFL), derrotada no 2o turno de 2006.

O jornal, em edições recentes, mostrou o caminho percorrido por uma verba de R$ 550 mil, repassada à prefeitura de Caxias pelo governador José Reinaldo Tavares (PSB), aliado de Jackson Lago. Mas não pôde ou não quis identificar o titular da conta corrente 3654-4, agência 2279-0, na qual foram depositados pelo menos R$ 100 mil, provavelmente muito mais.

A coligação de Roseana (PMDB-PFL-PTB etc) tenta cassar o mandato do governador sob a alegação de abuso de poder político e econômico e outras infrações ao Código Eleitoral. Um dos focos da denúncia é o que aconteceu em Caxias, quarta maior cidade do Maranhão, a 368 km de São Luís, onde o prefeito Coutinho apoiou Edson Vidigal (PSB) no primeiro turno e Jackson no segundo.

Convênios da Secretaria de Saúde (SES) e outros órgãos do Estado com a municipalidade de Caxias ultrapassaram R$ 70 milhões no período eleitoral, ao passo que prefeituras governadas por adversários de Zé Reinaldo e Jackson não recebiam nada.

Notas frias

Uma das denúncias mais detalhadas refere-se a convênio SES/Caxias para “compra de medicamentos”, no valor de R$ 550 mil, dos quais R$ 50 mil como “contrapartida” da prefeitura.

Mal a segunda parcela foi depositada na conta do convênio, totalizando R$ 375 mil, uma certa Distribuidora São Pedro, sediada em Paço do Lumiar, município vizinho de São Luís, emitiu fiscais contra a prefeitura de Caxias, no valor de R$ 372 mil.

Há indícios consistentes de que a São Pedro, pertencente a Pedro Ramos Cardoso, não passa de uma firma de fachada. Não forneceu remédio nenhum, apenas notas fiscais “frias”. Outros R$ 117,4 mil foram pagos à mesma empresa cinco dias antes da eleição de 1o de outubro de 2006

Os advogados da coligação “A Força do Povo”, de Roseana, anunciaram haver descoberto que a maior parte do dinheiro do convênio mal ingressou na conta bancária de Cardoso (aberta apropriadamente na agência Bradesco do Palácio dos Leões) e foi logo transferida para a conta de 3654-4 “da agência bancária de um bairro nobre do Rio do Janeiro”. Ficaram na conta dos Leões apenas 12% da verba, supostamente a comissão do vendedor das notas frias.

Anotações à mão feitas num documento obtido pelo Estado fazem suspeitar, mas ainda não provam, que a mesma conta tenha recebido outros depósitos, totalizando mais de R$ 900 mil.

Sem comentários

Ontem à noite, o Colunão apurou que a conta citada foi aberta numa agência do Bradesco situada no bairro da Urca, no Rio de Janeiro, pela Opera Prima Produções Artísticas.

O endereço atual da empresa, constante do saite www.operaprima.net, é Praia do Flamengo 100, Grupo 502, CEP 22210-130. Quando da abertura da conta no Bradesco da Urca, porém, o dono da firma indicou seu próprio endereço, Rua Marquês de Olinda, 1003, Bloco 1, Botafogo.

Trata-se da residência de Aderson de Carvalho Lago Neto, filho do ex-deputado estadual Aderson de Carvalho Lago Filho, atualmente chefe da Casa Civil do Governo do Maranhão.

O saite da Opera Prima também informa o número de contato (21) 2225 5749 e não foi preciso mais que um minuto para que Aderson Neto viesse ao telefone. Entretanto, ao saber qual era o assunto, ele gentilmente solicitou que eu voltasse a ligar dentro de 20 minutos, porque havia interrompido uma reunião e precisava retomá-la. A pedido, informou o emeio, adersonlago@hotmail.com.

Meia hora depois, quase às 16h, nova chamada. Agora a telefonista informa que Aderson está em reunião, sem hora para terminar, talvez “depois das 6” (18h). A insistência do jornalista atrai uma moça que se identifica como Paula Cabral, secretária. Essa diz que o chefe só estará provavelmente disponível no dia seguinte, porque a reunião é grande e vai entrar pela noite.

Passo-lhe um emeio (veja abaixo) e, meia hora depois, torno a telefonar. A reunião evaporou-se. Paula Ramos “já foi embora”. Aderson Neto “também já foi embora”. Ao que consta, somente a telefonista permanece impávida no seu posto.

Nepotismo

Não é a primeira vez que Aderson Neto, embora residente no Rio, vê-se constrangido pelas trapalhadas políticas do Maranhão. No ano passado o nome dele apareceu no maior dos vários escândalos de nepotismo do governo Jackson.

Neto foi um dos quatro parentes do chefe da Casa Civil nomeados de uma só tacada para funções de “assessoria parlamentar”, conforme publicado no Diário da Assembléia de 12/4/07.

Naquele dia, além de Aderson Neto, ingressaram no serviço público Ubiratan Lago, primo de Aderson Lago; Carolina Pires Ferreira Lago, filha; e até Maria Tereza Salomão Lago, a mãe octogenária do chefe da Casa Civil, também residente no Rio.

A divulgação do escândalo abortou o plano e os quatro foram exonerados pelo presidente da Assembléia.


Para esclarecer

Emeio do Colunão a Aderson Lago Neto, transmitido hoje às 16h27.

“Assunto: desvio de verba da Saúde no Maranhão
Prezado Aderson Lago Neto

O jornal O Estado do Maranhão, baseado em fontes oficiosas que também me fizeram contato ao longo da semana passada, noticiou recentemente um desvio de R$ 550 mil, em verbas da saúde pública estadual, ocorrido na prefeitura de Caxias (MA).

Pelo menos parte desse dinheiro, exatos R$ 100 mil, conforme documento estampado no jornal, foram depositados na conta 3654-4, agência 2779-0, Bradesco. Uma anotação manuscrita faz com que o jornal especule que referida conta teria recebido mais de R$ 900 mil durante a campanha eleitoral.

Após a publicação do documento, no último domingo, e não havendo contestação ou desmentido, dediquei-me a investigar o assunto por conta própria. Não foi difícil descobrir que o titular da conta é Opera Prima Produções Artísticas, empresa de sua propriedade.

Infelizmente, há pouco, só lhe pude falar muito ligeiramente por telefone, já que você precisou interromper a conversa para voltar à reunião de que se havia afastado. Combinamos que eu religaria em 20 minutos, mas, quando o fiz, você continuava ocupado, não podia mais ser interrompido e sua secretária informou que somente amanhã estaria acessível.

O assunto, entretanto, como há de convir, é urgente. De modo que, usando o emeio que você me forneceu e sua secretária Paula Cabral confirmou, solicito que me esclareça o que souber ou puder acerca dos fatos acima mencionados.

Atenciosamente, Walter Rodrigues
Jornalista — (98) 3235 6916 — 8814 4596

Walter Rodrigues | 20:11

Xô Renca Braba disse...

Idiotas, o tempo prova a verdade!

Berrrem!

SEU JOCA disse...

SEN PANTALEÃO QUER AUMENTAR OS SALÁRIOS DE BOMBEIROS DE RORAIMA, RONDONIA, AMAPÁ E ACRE. PERAÍ, PANTALEÃO NÃO É MARANHENSE E NÃO DEVIA ESTAR LUTANDO PELAS COISAS DO NOSSO MARANHÃO? AH, SIM ME LEMBREI PANTALEÃO É AQUELE MESMO QUE VIVIA DIZENDO NAS TRIBUNAS DO SENADO, QUE EMPRÉSTIMO PARA O MARANHÃO NÃO, NÃO E NÃO. E ESSA GENTE AINDA ACHA QUE ALGUÉM ACREDITA QUE ELES TRABALHAM PELO NOSSO POBRE MARANHÃO, PURA ILUSÃO.........
É POR ISSO QUE EU DIGO E REPITO:
SARNEY NUNCA MAIS!!!!!!!!!!!!!

PANORAMA POLÍTICO
ILIMAR FRANCO - ilimar@bsb.oglobo.com.br

AUMENTO PARA POLICIAIS
Os senadores do PMDB Romero Jucá (RR), líder do governo, e José
Sarney (AP) querem incluir policiais militares e bombeiros dos ex-territórios
(Roraima, Rondônia, Amapá e Acre) no reajuste salarial previsto
para as Forças Armadas. Dizem que, se o ministro Paulo
Bernardo não cumprir o acordo, farão emendas para incluir o aumento
no projeto do Executivo. “Compromissos assumidos aqui não são
levados tão a sério como eu pensava antigamente”, disse Sarney.