quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Alunos Fazem Apelo ao Secretário de Educação

Aproximadamente 70 alunos do CEEFM Menino Jesus de Praga, na Cidade Operária, protocolaram um documento (prot: n° 41648/2007) , na SEDUC, endereçado ao secretário de Educação, Lourenço Vieira da Silva. No documento, os educandos pedem a imediata retomada do projeto “Coral da Língua Inglesa”, desenvolvido pela professora Tereza Freire.Moacir Feitosa e Lourenço Vieira da Silva.

Desde o ano de 2006, a professora Maria Tereza Anchieta Freire desenvolve um trabalho diferenciado, na questão do aprendizado da Língua Inglesa. Mas, para a surpresa dos alunos, a Secretaria de Educação resolveu remanejar a professora de inglês, não considerando a atividade extra classe, como elemento da carga horária.


A revolta dos alunos se dá pelo fato de só, agora, na fase de conclusão dos trabalhos, a professora ser requisitada para completar carga horária em outra escola. “Isso é mais que uma falta de respeito, eles não se importam com o nosso trabalho, nem com o da professora”, disse a aluna Liália Pereira. “ E nós, os alunos, como ficamos? Nós estudamos e nos preparamos o ano inteiro, mas, agora, eles querem fazer do nosso esforço, tempo perdido”, desabafou Marcelo Espíndola.


Procurada pela redação de Atos e Fatos.net, a professora Maria Tereza se surpreendeu com a atitude dos alunos. “Olha, eles me disseram que iriam reclamar, mas, eu imaginei que, apenas, com a direção da escola. Estou surpresa, com a atitude dos alunos e muito feliz, pois, isto mostra que os nossos jovens, que são o Maranhão do futuro, estão começando a despertar e a cobrar os seus direitos”, declarou a professora.

De acordo com a educadora, ao ser comunicada, pela diretora adjunta do CEEFM Menino Jesus de Praga, Maria das Neves, que teria que completar carga horária em outra escola, imediatamente questionou sobre quais rumos tomar em relação ao projeto, já que o mesmo se encontrava em fase de conclusão. A diretora adjunta, disse não saber qual atitude tomar.

Sem obter solução para o caso, a professora contactou a diretora geral, Francisca Cardoso Lima. Esta, por sua vez, solicitou uma cópia do projeto e se incumbiu de levar à SEDUC. O projeto foi entregue na segunda-feira (12) e, para espanto de todos, no mesmo dia soube-se a resposta da Secretaria: “... projeto, só no ano que vem!”.

O domínio da Língua Inglesa, que sempre foi considerado importante, na era da globalização, toma proporções ainda maiores, no que diz respeito a sua utilização interativa entre as diversas culturas e grupos sociais. Além disso, é considerado como diferencial e pré-requisito para o ingresso e a ascensão no mercado de trabalho e preconizado no contexto dos Parâmetros Curriculares Nacionais como “fator indispensável ao acesso aos bens culturais da humanidade”.

Verifica-se então, que há pouca preocupação por parte da SEDUC no que diz respeito ao crescimento intelectual do alunado. O estudo de Inglês, bem como de outras disciplinas, nas escolas públicas, encontram entraves, principalmente na falta de recursos didáticos e na carência de instalações físicas satisfatórias, o que dificulta o processo de ensino e aprendizagem.

Partindo desse pressuposto, faz-se necessário a implementação de metodologias alternativas e complementares como forma de compensar os prejuízos que fazem parte da triste realidade das escolas públicas maranhenses. Torna-se necessário o aperfeiçoamento do processo educacional, como o fez a professora Tereza e seus alunos e, em vez de encontrar apoio por parte do órgão gestor, recebem como prêmio uma remoção, cujo prejuízo é totalmente do alunado.

Enquanto o secretário de Educação do nosso Estado não começar a tratar a sua pasta com a responsabilidade que deveria, continuaremos a ver fatos como este, ocorrendo nas escolas. Trabalhos como o da professora Tereza e dos alunos do CEEFM Menino Jesus de Praga, serão banalizados, destruindo o que poderia ser um exemplo para escolas de todo o Maranhão.( Fonte: Atos e Fatos.net)

Um comentário:

José disse...

Essa decisão desequilibrada da Secretaria de Educação é mais uma prova inconteste de que a pasta está em mãos erradas. Parabéns aos estudantes desse estabelecimento de ensino. É assim que deve ser!